Buscar

Selo Arte - Venda Nova do Imigrante

Concessão dos primeiros SELO ARTE do Brasil

Meu nome é Diego Leão, sou veterinário, apaixonado pela arte da Charcuterie e produtor artesanal aqui no Espírito Santo, é com grande orgulho e alegria que compartilho aqui nesse Blog - a trajetória que levou essa especial conquista para os produtores artesanais da nossa região - os primeiros SELO ARTE de produtos cárneos do Brasil.


Venda Nova do Imigrante – Espirito Santo, uma pequena cidade serrana de 24.8 mil habitantes, de colonização Italiana, a alguns anos fomos reconhecidos como capital nacional do agro-turismo, por assim no início de tudo havia uma venda, ao ser reformada se tornou venda nova e devido a imigração italiana “VENDA NOVA DO IMIGRANTE”.


Quando ocorreu o fim da escravidão, as grandes fazendas da região foram vendidas e divididas em pequenas glebas, foi quando nossos antepassados chegaram na região em busca de trabalho, por volta de 1892., até a década de 1940, todos os habitantes da localidade eram descendentes de italianos, e só falavam a língua vêneta, ou simplesmente vêneto, e assim junto com nossos antepassados vieram nossas receitas, naquele momento nossas famílias chegavam ao brasil muito castigados e para conseguir sobreviver e ter uma renda criavam seus porcos onde sua utilização da carne era por total, o fato de não existir geladeira levava a utilizar métodos de conservação por salga ou defumação, e um dos nossos produtos que veio junto com nossas famílias foi o SOCOL.


Pelo fato da cidade ser de grande quantidade de famílias italianas, todas elas fabricam seu próprio SOCOL, porém algumas se voltaram ao comércio do mesmo, seu nome deriva de osso colo, que na língua vêneta significa colo = pescoço - "osso do pescoço", já que era feito originalmente com a carne do pescoço, no caso copa-lombo e lombo.


O SOCOL é um embutido de carne suína (lombo ou copa-lombo) temperado com sal, alho e pimenta do reino, algumas famílias utilizam cravo e canela, seu envoltório é o peritônio suíno, por isso a grande dificuldade e pouca quantidade no começo de tudo para sua fabricação, cada animal fornece dois peritônios e nem sempre em boas condições devido a limpeza do porco, sua cura e maturação é toda realizada em temperatura ambiente permanecendo entre 4 e seis meses maturando, seu processo é o mesmo de quando chegaram as primeiras famílias no município. Hoje conseguimos comprar a banha onde se retira o peritônio de maneira manual, que por sinal é bem trabalhoso esse processo em maiores quantidades de frigoríficos onde ajudou muito no aumento de produção para essas famílias que comercializam o SOCOL. Muitas das famílias hoje utilizam o lombo como a sua matéria prima, isso devido a buscar um produto com menos gordura como é o caso da copa-lombo, para ser utilizado como tira-gosto percebendo uma procura maior pelos visitantes em um produto com menos gordura, diferente do uso pelas nossas famílias antigamente, onde o SOCOL era a última carne a ser utilizada por estar pendurada, sendo frita e consumida com polenta na refeição.


Como dizia o NONO, antigamente quando comia o SOCOL tinha molto pepe che ha bruciato molto, (tinha muita pimenta e queimava muito) mas era muito mais gostoso.









Em junho de 2018 o SOCOL teve sua importância reconhecida pelo certificado de Indicação Geográfica (IG), caracterizando o SOCOL como original de uma área geográfica certificando sua qualidade de fabricação, e manutenção de seu processo com provas históricas. Devido ao produto ter sido reconhecido e começar a ter grande expressão para nosso município e estado, nesse processo, a temperatura, altitude e umidade da região entra como característica do processo.


Em novembro de 2018 um grupo foi criado por produtores e responsáveis técnicos do serviço de inspeção municipal (S.I.M), SEAG, IDAF, INCAPER, IFES, MAPA para a execução de um RTIQ do SOCOL (Regulamento Técnico de Produção, Identidade e Qualidade do Socol no âmbito do Estado do Espírito Santo), mas quando falamos de produtores, ITALIANOS TEIMOSOS e todos juntos, parece uma orquestra com todos os músicos cantando e tocando seus instrumentos ao mesmo tempo(rs), ah, todos eles tem razão é claro (rs) - como uma amigo sempre me fala siamo tutti testardi, ma tutti buona gente, as dificuldades foram grandes no início devido a cada família que fabrica o SOCOL ter sua particularidade, e juntar tudo isso em um regulamento só, que fique de acordo com as normas oficiais de controle e inspeção não foi fácil, por ser um produto feito por nossos antepassados de maneira totalmente artesanal, algumas exigências dos órgãos não se adequavam no método de fabricação e não eram aceitos pelos produtores, feria o método artesanal que sempre utilizamos para fabricar, mas com muito carinho começamos os trabalhos para melhor realizar esse RTIQ.


Devido a alguns problemas ocorridos em evento relacionados a produtos artesanais em 2018 tivemos um projeto de Lei (Lei nº 13.680/18) criado pelo Deputado Federal Evair de Melo para desburocratização de produtos artesanais, o SELO ARTE, Evair que também é cidadão de Venda Nova do Imigrante, em 2019 na cerimônia de 200 dias de governo do Presidente Jair Bolsonaro o decreto foi assinado, ai sim começou os trabalhos em busca dos nossos produtos ARTE.






Contudo tínhamos como algo distante devido as instruções normativas a serem adequadas, não é fácil para colocar tudo isso alinhado e assim o tempo foi se passando e esfriando todo esse fervor do selo arte, no meu ponto de vista o SELO ARTE é um passaporte, ele dá o direito de comercialização de produtos fabricados de maneira artesanal em todo território nacional o selo arte é destinado ao produto e não ao estabelecimento, muitas divergências e reuniões foram feitas para ver a melhor maneira de dar andamento aos registros dos produtos caracterizados como arte, em muitas conversas com amigos da Charcuterie, tentei explicar um pouco sobre, tentar ajudar com o conhecimento que estava recebendo, não é simplesmente o colega produzir um produto de maneira artesanal que vai fazer com que ele seja considerado como artesanal perante o selo, existem algumas exigências básicas como ser com produto fabricado predominantemente de maneira manual, que tenha sua transformação da matéria prima, que não tenha o uso dos cosméticos alimentícios, que tenha boas práticas de fabricação, que seja um produto cultural, tradicional e artesanal, dentre outros.


Como mencionei no começo do texto Venda Nova é considerado a Capital Nacional do Agro-turismo, e assim seus moradores são muito presentes a ativos em ralação a sua cultura, e por muitos anos visitamos eventos do assunto como a RURALTUR, que é considerada a maior feira do Agro-turismo do pais, uma feira nacional com tantas visitas e encontros conseguimos esse ano, na verdade nesse exato momento trazer a feira para Venda Nova do Imigrante, e pela primeira vez em quinze anos a feira saiu do Nordeste para ser Realizada no nosso Município, foram muitos dias de trabalho, organização, e estruturação para receber a RURALTUR.


Vinte dias antes da RURALTUR comecei a organizar como seria em relação as agroindústrias de Produtos de Origem Animal se adequarem com o transporte para o município, vendo que muitas eram de outros municípios e possuíam registro somente municipal, consegui organizar autorização de trânsito junto ao IDAF, e MAPA, e conseguimos controlar que todos os expositores fossem registrados em seus devidos serviços de Inspeção, também sou fabricante de produtos artesanais, e acredito que temos um grande potencial, tenho uma grande felicidade em participar de um grupo com pessoas muito especiais que respeitam muito a qualidade e tradição dessa arte bem como o controle dos meios de fabricação - Grupo Charcuterie Brasile - por isso acredito no grande potencial que temos, vejo que alguns amigos possuem muito conhecimento e passam isso com grande clareza e educação, basta buscar o conhecimento.





Contudo todo esse controle me trouxe uma grande felicidade que nunca imaginei que fosse acontecer, no dia 13 de novembro de 2019, exatamente uma semana antes do início da Ruraltur recebi a ligação de um amigo chamado Marcos (Coordenador do Departamento) do IDAF – Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espirito Santo me perguntando algumas informações relativas aos produtores de SOCOL, passei todas as informações mas continuei meus trabalhos para RURALTUR, e minhas responsabilidades com o Serviço de Inspeção Municipal, isso não foi o bastante, no dia seguinte (14 de novembro de 2019), seis horas da manhã quando estava promovendo orientações de Boas Práticas de Fabricação em uma agroindústria de Lácteos recebo uma ligação, do meu amigo, que me conhece desde a barriga da minha mãe MARIO LOUZADA – Diretor Presidente do IDAF – Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espirito Santo me perguntando onde eu estava, fiquei espantado, ele estava em venda nova e foi até onde eu estava, queria que eu fosse com ele nas agroindústrias que fabricavam SOCOL e tinham SUSAF (Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar de Pequeno Porte (Susaf/ES), com muito orgulho posso dizer que Espirito Santo é um estado que luta para melhorar as condições dos pequenos, das agroindústrias, temos o SUSAF que é um sistema que tem por objetivo promover a equivalência entre os serviços de inspeção municipais (SIM) e o estadual (Serviço de Inspeção Agroindustrial de Pequeno Porte – Siapp), harmonizando os procedimentos de registro, inspeção e fiscalização das agroindústrias de pequeno porte de origem animal do Estado. Na prática, isso significa que a comercialização desses produtores, inicialmente restrita ao município, poderá se estender ao estado, desde que o município tenha aderido ao Susaf/ES, e o SIAPP que é semelhante mas ocorre nos municípios que não apresentam Serviço de Inspeção Municipal, para ajudar o pequeno produtor a conseguir levar seu produto para fora do município de maneira correta.





Pois bem, nesse caminho para as agroindústrias recebi uma notícia maravilhosa, que quatro dos nossos fabricantes de SOCOL, os que tinha SUSAF iriam ser contemplados pelo SELO ARTE durante a RURALTUR, uma alegria junto com um susto, a RURALTUR teria seu início dia 20, mas dias 15, no dia seguinte que recebi a notícia era feriado, bateu desespero mesmo veio quando recebi novamente a ligação do meu amigo Marcos falando que teríamos que trabalhar feriado, sábado e domingo para conseguir esse feito, que seria difícil devido a grandes entraves impostos por algumas adequações, teria que ser escrito o decreto e ser publicado no diário oficial antes do início do evento, ou seja entre segunda e quarta de manhã, foi a que veio outra questão, para conseguirmos inclui-los como arte o SOCOL teria que ter seu RTIQ também publicado no diário Oficial, sendo caracterizado como um produto artesanal, para ai sim estar apto a ser considerado como um produto ARTE, o tempo era extremamente curto, passei sexta sábado e domingo trabalhando até duas da manhã com a parte de documentação das quatro agroindústrias, para ser enviada ao estado o mais rápido possível, e não era pouca coisa, muitos ofícios, documentos e solicitações a serem escritas e quando lidamos com pequenos produtores, na grande maioria das vezes de idade avançada e sem conhecimento com documentação (solicitações) temos que tomar a frente para ajuda-los, fazer os documentos para eles, isso sobrecarrega bastante, documentação de boas práticas, declaração de procedência da matéria prima, e por ai vai, marcamos para o dia mais rápido possível a reunião do RTIQ para tentar finalizar para ser publicada, agora pensa, com todos os profissionais envolvidos (citados anteriormente) e os produtores ITALIANOS "teimosos"(rs), marcamos para terça-feira 15:00h, por mais difícil de acreditar foi muito tranquilo e conseguimos finalizar naquele dia mesmo, e com muito brilhantismo do nosso amigo JACKSON (SEAG), as coisas estavam caminhando bem, agora somente escrever o RTIQ, fazer as últimas considerações e publicar no diário oficial, quarta feira (20 de novembro de 2019) início do evento na parte da manhã recebi uma ligação de grande importância para mim, da assessoria do governador me fazendo um convite para comparecer ao evento, agradecendo pelo meu empenho e pedindo informações dos telefones do produtores para fazer o convite formal, todos os documentos já estavam escritos, organizados entregue na secretaria do estado, mas muito apreensivo devido ao tempo que estava passando, nesse mesmo dia na parte da manhã os decretos já estavam publicados, as IN (instrução normativas também), menos as do RTIQ do Socol que foi publicada no dia seguinte quinta feira dia 21.




No dia 21 quinta-feira foi a abertura oficial da RURALTUR, exatamente sete da noite uma grande movimentação acontece no evento, ao palco o GOVERNADOR do Espirito Santo estava a convocar quatro produtores de SOCOL, estavam sendo contemplados com o SELO ARTE, os primeiros produtos Cárneos do país recebendo o SELO ARTE, com grande felicidade em ver aquele momento único, não sei explicar a sensação, meus olhos igualmente ao dos produtores sendo pegos desprevenidos cheios de água mostrava toda felicidade daquele momento, nosso pequeno município sendo protagonista desse grande feito, sensação de trabalho cumprido, inexplicável.




Todos os outros dias que a RURALTUR se caminhou só tivemos elogios, em relação ao lindo evento que estava sendo realizado, ao andar pelos estandes via a gratidão dos produtores, PARABÉNS AS AGROINDÚSTRIAS SOCOL TIO VÉ, SOCOL BELLA TOZA, SOCOL LORENÇÃO e SOCOL CARNIELLI.



OS PRIMEIROS PRODUTOS CÁRNEOS DO PAÍS COM O SELO ARTE !




Agora vou trabalhar para colocar mais produtos na mesma linha.


Temos que ter amor pelo que fazemos, amo essa terra e essa terra somos nós que fazemos.


VIVA AO SOCOL DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE!






  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social
  • YouTube ícone social