Charcuterie Brasile

16 de Dez de 20184 min

Berkel - A História

Atualizado: 18 de Dez de 2018

Wilhelmus Adrianus Van Berkel

O gênio Wilhelmus Adrianus Van Berkel, que usou toda a sua paixão e experiência para reproduzir mecanicamente o movimento da mão que corta com uma faca, sua invenção visionária logo se espalhou pelo mundo, durante os anos 50, a Berkel não era apenas um produto inovador, mas também um verdadeiro símbolo de status e assim permanece até os dias de hoje!

HISTÓRIA ANTIGA

A.W. Van Berkel, ou Wilhelmus Adrianus van Berkel o fundador, era um açougueiro holandês com uma grande paixão pela mecânica: ele queria construir uma máquina que lhe permitiria cortar a carne sem ter que recorrer à faca. A idéia visionária apareceu em sua mente quando ele pensou que uma lâmina côncava de rotação perpendicular em uma placa móvel em que se descansa a carne poderia substituir o trabalho manual, foi assim que surgiu a primeira história do primeiro cortador/fatiador mecânico no mundo . Em 1898, Berkel fundou a primeira fábrica em Roterdã, no ano seguinte até o final da década de 1930, Berkel depositou muitas novas patentes e construiu dezenas de modelos de fatiadores/cortadores. Em poucas décadas, a Berkel tornou-se uma verdadeira multinacional, com instalações de produção em todo o mundo. O crescimento da empresa seguiu a diversificação da produção, também para as necessidades geradas pelos conflitos mundiais, a Berkel começou a produzir máquinas, ferramentas, motores de navios, aviões e hidroaviões.

A empresa Berkel dos anos cinquenta em diante já estava envolvida em arranjos internos mais aquecidos e ocorre que na primeira metade do século XX, seu fundador, agora velho, aposentado do palco, deixava os gestores orientar o império que ele criou. Houve desentendimentos entre Berkel pai e filho, o que o levou a deixar a empresa e propor ao concorrente mais temido de Berkel, então, o alemão Bizerba, projetos nunca aprovados na companhia de seu pai. Em 1952, Wilhelmus Adrianus van Berkel morreu em Montreux. Nos anos que se seguiram à morte de Berkel, novos modelos de máquinas foram lançados no mercado, como picadores de minério, moedores de café, serrotes, balanças, e cortadores. Algumas escolhas produtivas não foram recompensadas pela tendência do mercado, naquele momento dividido e cheio de concorrentes agressivos. A marca ainda brilhava à luz das antigas produções que cessaram e, nos novos modelos, não havia mais a proteção e proteção das patentes depositadas.

Nos anos 70, o setor do peso (balanças) era absolutamente predominante, enquanto os cortadores e todas as outras máquinas de processamento de alimentos recuavam; a produção desses modelos continuou até o início dos anos 90.

O INCÊNDIO DE ROTERDÃO

Os anos 90 não começaram bem para Berkel, em 1991, um incêndio devastador destruiu completamente a fábrica histórica no centro de Roterdão. Apenas o depósito de remessa com os produtos acabados foi salvo das chamas daquele inferno. O destino queria que a construção da nova fábrica nos subúrbios fosse concluída, então, o que restava da Berkel foi transferido. Os trabalhadores empregados na mudança conseguiram destacar da fachada destruída do edifício de escritórios a efígie de bronze que mostrava o perfil do fundador. Esta herança única no mundo os fora dada pelo diretor administrativo da época com uma carta de doação.

ANOS 90

Dois anos após o incêndio, em 1993, após a fusão com a Avery, a Berkel tornou-se parte do grupo multinacional GEC. Avery é uma empresa forte no campo de pesagem, que é quase exclusivamente eletrônica. Essa cultura técnica influencia fortemente as escolhas dos setores a serem pesquisados e investidos: a mecânica certamente não sai mais forte. Nos últimos anos, a dominação da Berkel sobre o mercado mundial de slicer diminuiu, e a produção clássica do volante continua sendo apenas um modelo, o 115EP: uma máquina totalmente automática com um sistema para enganchar e colocar a fatia na bandeja de aço inoxidável lateral. O golpe mortal para os cortadores de Berkel vem em 1996 com a entrada em vigor das novas normas europeias de segurança no local de trabalho, incluindo a diretiva sobre maquinaria, implementada na Itália pelo Decreto 626.

Em Roterdão, os responsáveis pelo controle de qualidade e gabinete técnico estavam envolvidos na concepção das alterações e novas normas, tornar o modelo 115EP compatível foi o maior de todos os desafios, mas a gerência técnica britânica nega os investimentos necessários e opta por soluções fora da produção da Berkel. As produções concorrentes são assim cooptadas, fazendo acordos para modificar esteticamente as máquinas de vários produtores de qualidade, a colocar a marca e lançá-las no mercado como uma produção da Berkel.

Na Itália, as máquinas Berkel da produção FIA-BOSTON de Padua ou OMAS de Varese foram marcadas.

BERKEL HOJE

Em 2004, dois executivos do grupo se tornaram empreendedores por conta própria e adquiriram a marca da Avery-Berkel. Em 2014, a Brevetti Van Berkel SpA foi colocada em liquidação e subsequentemente adquirida pelo produtor de carne curada Rovagnati .Em 2017, a Rovagnati também adquire a Omas SpA, uma empresa italiana que produz fatiadores profissionais, volantes e elétricos.

Hoje, voltou a ser líder de mercado premium e qualidade em todo mundo, os diamantes continuam sendo fabricados com a tradição BERKEL MUNDIAL NO CORAÇÃO DA ITÁLIA.

    1800
    0